[Luccas] Não, apenas vi uma coisa que não acreditei ter visto
[Jean] O que você viu então menino?
[Luccas] Ele. – disse apontando para os dois meninos que conversavam e riam muito parecendo que o assunto entre ele era bom –
[Jean] Mas o que tem ele não tem nada de mais
Fiquei quieto olhando para o grupo, quando menos espero chega o Luc indo em direção ao lugar que eles estava, ai sim fiquei paralisado não sabia mais o que pensar estava totalmente tomando por um sensação ruim, o que estava acontecendo será que ele não queria saber mais de mim ele mal chegou já sentou-se ao lado garoto que não demorou mostrar estar todo derretido pelo meu Luc, não posso aceitar isso ele é meu!
[...]caiamos na cama depois e nos encarávamos as vezes caiamos no sono, mas a maioria das vezes depois do sexo, rolava beijos e mais beijos, mas aí um dia essa nossa diversão chegou ao fim, no começo tínhamos recaídas, e aos poucos fomos tentando nos acostumar que havia terminado. – ele parou de falar mais uma vez, só que agora ele pensava no que dizer - (Começando daqui) Mas a alguns dias, sabe nos tocamos sem querer, e acabou rolando novamente, e o fogo estava mais forte que da primeira vez, sem falar que agora nós dois estávamos mais maduros, mais responsáveis, e estávamos pensando em reatar e continuar de onde tudo parou mais tem um problema nesse meio, que nos impediu de voltarmos a ficarmos juntos.
[Luccas] Então quer dizer que por causa de um medo, você dois deixaram de se amar por medo das consequências? Mas por que se vocês realmente se amavam por que fazer isso desistir assim tão fácil do amor de vocês Jê?
[Jean] Não foi bem assim Luccas, nessa época o Wes ainda morava com o pai dele, ele era contra todo tido de relacionamento homo e isso foi piorando a situação por que o Wes sempre dizia que o pai dele dizia que não aceitaria filho veadinho que se ele tivesse filho assim ele iria ensinar o que a vida faz com pessoas assim, todo santo dia o Wes falava uma coisa nova e eu fui percebendo que ele estava ficando mal por isso, então decidi inventar que nossa relação estava ficando muito séria, e estava mesmo, eu gostava da ideia de estar com ele e de fazer tudo com ele, mas achei melhor terminar de deixar ele poder esfriar a cabeça antes que ele fizesse algo que o prejudicasse, então terminamos, choramos muito, pois nem um dos dois queria isso, eu fiquei umas 2 semanas trancado em casa dentro do meu quarto não queria saber de nada, lembra, que você entrou no meu quarto me abraçou e me viu chorando e disse pra eu não chorar por que você iria querer chorar junto e começou a chorar, foi nessa época estava mesmo muito arrasado e aquele abraço que você me deu e o seu choro bem baixinho me confortaram você aquele dia me mostrou que a vida não era aquilo que eu estava fazendo, aí fomos tomar banho e depois nos arrumamos e saímos, e no caminho estava o Wes sentado sozinho mas nem nos falamos ai quando você pergunto o que estava acontecendo com nos dois e eu te disse que nos estávamos brigado e que iria demorar um bom tempo para gente poder falar de novo.
[Luccas] Mas por que vocês se afastaram? Vocês... – ele me interrompeu –
[Jean] Nos afastamos para não tornarmos isso um problema bebê ele e eu achamos que o pai dele desconfiava de algumas coisas, então esse afastamento foi necessário, pois o Wes começou achar que o pai dele tinha colocado alguém para ficar seguindo ele por onde ele fosse, mas mesmo assim as vezes acabávamos nos encontrado mesmo sem ter combinado nada, aconteceu várias vezes, até que o pai dele morreu, aí tivemos a certeza que o pai dele tinha posto alguém atrás dele por que essa pessoa algum tempo depois foi na casa dele cobrar pelo serviço, e quem atendeu o cara foi o Wes que disse que o pai dele tinha morrido e o cara não iria receber nada pelo trabalho, e o cara saiu bufando ameaçando contar pra mãe dele que ele era gay e que ele tinha provas, ele falou pro cara mostrar e nunca mais ele voltou lá.
[Luccas] E depois que o pai dele morreu aconteceu algo?
[Jean] Aconteceu mais umas cinco vezes, depois não fizemos mais nada, mas esses dias quase que rolou, mas na hora que íamos nos beijar eu virei o rosto e falei que não podíamos que tínhamos jurado que não iria acontecer nunca mais, ai ele concordou, mas sabe o tesão ficou guardado, se for igual sempre uma hora acaba acontecendo, é mais forte que a gente. – ele disse ficando todo vermelho –
[Luccas] Mas Jean se não tem mais o pai dele, vocês, sente uma forte atração um pelo outro, por que vocês não voltaram? O que aconteceu depois, por que não entendo o por que vocês não voltaram se tudo estava livre novamente?
[Jean] Nós começamos namorar com garotas, e se terminássemos com elas estaria na cara, pois eu e ele voltaríamos a andar juntos sem nem desgrudar como era antes, seria completamente arriscado, a gente bem que queria, quantas vezes nos não ficamos escondidos conversando falando da vida fazendo planos, até fugir pensamos, mas eu não iria conseguir, eu já era muito apegado a você, não conseguiria fugir e te deixar. Em resumo meu bebê, pense com carinho, não faça nada sem pensar muito bem, pois isso será marcado pro resto da sua vida. – ele disse saindo e indo em direção a porta –
Agora tinha que pensar em tudo que estava se passando, pra saber se esse sentimento que eu estava tendo pelo Luc era verdadeiro pra não fazer nada de errado e depois acabar me arrependendo, deitei na cama dele e acabei adormecendo ali.
[Jean] Luccas acorda! – disse ele me chacoalhando –
[Luccas] O que foi Jê?
[Jean] O Luc tá ai querendo falar com você.
[Luccas] Eu não quero falar com ele.
[Jean] Larga de frescura vocês dois tem muito o que conversar.
[Luccas] Ok, mas saiba que eu não quero falar com ele.
[Jean] Luc entra ele está aqui dentro. – disse saindo e o Luc entrando –
Quando ele entrou no quarto o olhei, seus olhos calmos e serenos agora estavam vermelhos, mostrando que ele havia chorado e não fora pouco, ficamos ali eu e ele naquele quarto quase que uns cinco minutos sem falar uma sílaba sequer, finalmente o olhei direto no olho foi meio que num susto ele começou a falar.
[Luc] Preciso te pedir desculpas pelo que eu fiz hoje cedo.
[Luccas] Agora? Depois que eu chorei me abri com o Jean, no momento que mais precisei de você aqui do meu lado você fez o que, pegou suas coisas me deixou sozinho, muito triste sem saber o que fazer, se não fosse o Jean nem sei o que eu teria feito, eu fiquei mal, o meu sentimento por você era verdadeiro e você o que fez, me tratou como os garotos da sua escola, assim como fizeram com você, você fez comigo, me abandonou. – eu chorava tinha uma dor enorme no peito indescritível eu sentia ódio carinho e um amor enorme por ele mais não poderia ser tão compreensivo queria mostrar pra ele que o que ele me fez sentir era horrível – Aqui dentro do meu peito estou sentindo a pior dor que já senti em toda minha vida.
[Luc] Luccas, eu não sei o que deu em mim em casa só fiz chorar o tempo todo não sei o que me deu, estou muito triste comigo mesmo me entenda, foi algo que me pegou de surpresa, até ontem você era hétero hoje você já diz gostar de mim cara, o que eu podia pensar, achei que era brincadeira da sua parte Luccas, por favor estou te implorando, não me faça sofrer o tanto que eu já estou sofrendo. – os olhos dele que estavam vermelhos agora também começavam a derramar as primeiras lágrimas, ele tentava se fazer de forte tentava barrar o choro mais era impossível dentro de si ele sofria o mesmo tanto que eu só que ele não queria demonstrar que ele estava fragilizado igual a mim –
[Luccas] Olha Luc, te perdoar te perdoo, mas sabe, vou precisar de um tempo só pra mim ficar sozinho, refletir e me descobrir, me auto conhecer, nesse tempo acho melhor a gente não se ver, o melhor é nos afastarmos até eu descobrir o que eu quero realmente com você, se isso é passageiro ou não, pois podemos nos dois ficarmos magoados depois, então te peço me esqueça assim como vou te esquecer, pelo o menos agora, enquanto reavalio meus conceitos. – Falei isso mais lá no fundo eu estava chorando muito não podia fazer aquilo com ele eu pensava que ele era o amor da minha vida mais era muito cedo pra eu tomar tal decisão comecei chorar novamente enquanto ele me respondia aos prantos e saia do quarto –

[Luc] Ok, vou respeitar seu pedido, só não posso prometer estar te esperando quando resolver me procurar novamente. – ele me olhou mais uma vez e finalizou – Adeus Luccas.
“Adeus Luccas” essas palavras me feriram mais que uma faca entrando no meu peito, Luc e o Jean conversaram um pouco ainda fora do quarto, mas logo o Jean já estava me abraçando e me dando o carinho que eu necessitava naquele momento, ele não disse uma palavra sequer o tempo todo, só me abraçava e aquele abraço me dizia tudo que eu precisava, ficamos assim um bom tempo, acho que passamos mais de meia hora abraçados, ele ali quietinho e eu chorando muito.
[Luccas] Obrigado Jê, você tem algo pra fazer por agora?
[Jean] Não Luccas por que?
Soltei-me de seu abraço fui até a porta e a tranquei voltei até ele.
[Luccas] Dorme comigo daquele jeito que a gente dormia quando éramos menores?
[Jean] Ain bebê não sei se posso dormir de conchinha com você.
[Luccas] Por favor Jê preciso descansar, e nos seus braços me sinto seguro.
[Jean] Vem meu bebezinhos, vamos .
Deitar com meu irmão me fazia esquecer de qualquer problema que eu passasse, ficamos ali agarradinhos conversando até pegarmos no sono, sonhei com o Luc e um outro garoto que nunca tinha visto.

[SONHO] Início.
[Luc] Mas você fez errado você não devia ter feito isso comigo.
[Luccas] Eu sei Luc, não faz isso comigo, por favor.
[Luc] Luccas eu não posso mais voltar atrás você fez sua escolha, agora você tem que aceitar minha decisão eu esperei por você por muito tempo, mas eu tinha que seguir meu caminho, não podia esperar por você a minha vida toda, desculpe.
[Luccas] Mas só me diz, se ainda algum dia poderei ter esperança de te reconquistar, só me diga isso.
[Luc] Você sempre vai ter um espaço no meu coração, basta você saber como fazer esse sentimento que eu tenho por você reavivar-se dentro de mim novamente não vou negar Luccas eu te amo muito, mas aquelas palavras doeram, a espera que aguentei foi de mais, e muitos outros vieram e eu recusando esperando que você um dia voltasse e falasse que me amava que me queria não como amigo mais como algo mais, mas esse dia nunca chegou, pois agora estou namorando a 2 meses, eu não aguentei mais sofrer por sua causa.
[Luccas] Então você está me dando chance quer dizer que... – ele coloca o dedo em minha boca –
[Luc] Quantas vezes na nossa sala de aula eu me pegava olhando pra você esperando um olhar, esperando alguma palavra, enfim esperando qualquer coisa que viesse de você mas depois daquele dia no quarto do seu irmão que você me pediu o seu “tempo” eu jurei pra mim mesmo que não iria esperar mais que um mês e não esperei mesmo, um amigo me pediu em namoro e agora estou com ele faz 2 meses, eu podia ter esperado esses 3 meses por você, mas você foi duro de mais comigo naquele dia Luccas, só que eu me segurei, não derramei uma lágrima sequer, não queria voltar a passar tudo que eu havia passado, e ainda fiz questão de me mudar pra mesma escola que você, e torci muito para cairmos na mesma classe, e deu certo, falei com meu namorado que está uma ano a nossa frente pra estudar na mesma escola que a gente, ele topou na hora, gosto dele, sabe, mas não como gosto de você, mas para voltarmos a termos algo você vai ter que me reconquistar.
[Luccas] Está bem pode deixar, vou pensar se te reconquistar realmente vale a pena e todo sacrifício, agora vou te deixar em paz, já vi que aquele ali é seu namorado ele está parado ali a tempos nos olhando e me encarando, pode ficar com ele, vou partir para outra, vou te esquecer e refazer minha vida, talvez eu até esqueça e pare com essa frescura de gostar de garotos e volto namorar com meninas, e esqueço tudo isso, todo esse problema que esses pensamentos me trouxeram, agora vai, a só mais uma coisa se eu pegar você me olhando na sala, vai ser um pedido de guerra, te arrebento todo, deixei bem claro ne, então agora sai da minha frente sua bichinha.
O garoto estava parado perto da porta de nossa sala, ele era bonito, ele no sonho era branco, com pele pouco bronzeada, tinha uns olhos verdes penetrantes, ele tinha cabelos castanhos no mesmo estilo que o meu, mas usava um boné com a aba pouco virada para direita, usava brinco na orelha direita usava uma camiseta cinza por baixo e uma camisa toda xadrez com várias cores seu rostinho lindo com um olhar de safadinho muito fofo, eu nariz era pequeno, tinha uma boca media era quase percebido um tom de rosa tinha que ficar olhando fixamente para poder perceber, esse era o garoto que namorava com Luc.
[                                Sonho] Fim.

Não me recordo se acordei logo se demorei a acordar, estar deitado entre os braços do meu irmão não me fez acordar assustado, acordei ele ainda dormia, então aproveitei o momento para pensar bem nas consequências do que poderiam acontecer futuramente, pensei nos contras e prós, mas eu realmente estava louco de vontade de ter o Luc entre meus braços, não podia deixar que esse sonho se tornasse realidade, tinha tomado minha decisão, precisava ao menos tentar. Quando terminei meus pensamentos voltei a aproveitar o momento deitado com o Jean que dormia calmo, resultado mais uma vez dormi.
Quando acordei o Jean já estava acordado mais ainda me abraçando contei todo o sonho pra ele, contei sobre minha reflexão, e estava decidido no outro dia ir atrás do Luc.
[Jean] Mais e sua decisão qual vai ver Luccas.
[Luccas] Amanhã vou ir conversar com ele.
[Jean] Mas sua decisão qual foi, eu quero saber.
[Luccas] Vou pedir pra ele dar uma chance para nós tentarmos ver se dá certo algo entre nós.
[Jean] Tem certeza que vai querer isso mesmo, pense nas consequências que isso irá trazer para você.
[Luccas] Como assim Jê, que problemas são esses?
[Jean] Imagina vocês dos dão alguma mancada e alguém descobre, e isso correr na boca do povo, imagina só o que vai acontecer, o que seus amigos vão achar você tem que parar e pensar em todas as possibilidades.
[Luccas] Entendi, mas estou a fim de arriscar.
Terminamos nossa conversa e fui comer algo, pois estava com muita fome, comi uma maçã e fui para rua ver se encontrava alguém, pra minha surpresa estava do outro lado da rua conversando o Renato e o Luc, mas fingi não ver, mas foi inevitável Renato me viu e chamou, mas fingi não ter ouvido e entrei para dentro de casa o mais rápido que pude, fiquei curioso em saber o que os dois falavam, fui então para o computador ver meu Orkut e MSN, que não tinha ninguém de interessante, fiquei fuçando Orkut então até subir uma janelinha do MSN.
LucaS Oliver "LuC" diz:
Por que você fugiu quando o Renato te chamou?
Luccas diz:
Eu não fugi, só não estava afim de ouvir as baboseiras dele hoje
LucaS Oliver "LuC" diz:
hmm, ele estava falando sobre o campeonato que vai rolar daqui um mês.
Luccas diz:
a é, mas nem vou jogar, estou de fora deste.
LucaS Oliver "LuC" diz:
Mas por que você vai fazer isso com seu time Luccas?
Luccas diz:
Você topou jogar?
LucaS Oliver "LuC" diz:
Sim, topei por quê?
Luccas diz:
Então você fica no meu lugar e resolve o problema.
LucaS Oliver "LuC" diz:
Como assim, você nao vai mesmo jogar? Não faz isso.
Luccas diz:
Eu não tenho mais animo pra isso não, cansei quero fazer outras coisas.
LucaS Oliver "LuC" diz:
Nem se eu falar que vou jogar, por que pelo o menos assim estaria perto de você.
Luccas diz:
Posso pensar então, mas só se amanhã você vier aqui pra gente conversar.
LucaS Oliver "LuC" diz:
Só amanhã? O convite pra dormir aqui está de pé ainda se você quiser.
Luccas diz:
Acho melhor não, quero te ver amanhã pra gente poder conversar, sobre a gente se você quiser.
LucaS Oliver "LuC" diz:
Como assim conversar sobre a gente voce disse que...
Luccas diz:
Eu sei que eu falei aquilo tudo pra você, mas depois que você foi embora o Jê veio falar comig e me fez abrir os olhos
LucaS Oliver "LuC" diz:
o que ele te disse?
Luccas diz:
ele me disse que se eu realmente quero algo com você não posso ficar aqui parado enquanto deixo você na dúvida, se vou ou não te encontrar, mas eu quero falar sobre isso olhando para você não por uma janelinha de MSN.
LucaS Oliver "LuC" diz:
Ok, então amanhã assim que eu acordar eu ou pra sua casa, se você tiver dormindo eu pulo em cima de voce e...
Luccas diz:
E... O quê?
LucaS Oliver "LuC" diz:
Bem só você estando dormindo amanhã para ver, vou sair agora minha mãe está me chamando.
Tchau, beijinhos
Luccas diz:
Tchau Luc beijos.

Depois que ele saiu ainda fiquei um pouco mais no MSN conversando com o pessoal da escola que eu tinha contato, mas logo saí com o Jean me chamando para sair com ele.
[Jean] E aí afim de dar um passeio comigo?
[Luccas] Onde vamos?
[Jean] Vamos andar por aí ainda não decidi um lugar, vamos andando até a gente resolver ir pra algum lugar.

[Luccas] Ok. Vou me trocar.
Então fui ao meu guarda roupas peguei uma camiseta azul com detalhes em branco e preto, e um short xadrez branco e azul, e meu all star, desci para a sala para esperar o Jean que ainda não tinha descido, sentado ali sozinho entrei em mais um dos meus devaneios e comecei a pensar no que diria ao Luc no dia seguinte.
[Jean] Olha se você não fosse meu irmão acho que eu pegava heim, como pode ser tão gostosinho assim. – ele riu –
[Luccas] Há, há, não fica na vontade não heim. – começamos a rir –
[Jean] Fica provocando quando eu for pra cima não tem quem me faça desistir não viu seu ninfeto taradinho.
[Luccas] Ninfeto taradinho, o que ser isso?
[Jean] Não vou contar não, vai ter que descobrir sozinho, agora vamos seu ninfeto taradinho.
Quando estávamos saindo pra ir para nosso passeio nossa mãe estava chegando de sua viajem.
[Renata] Onde vão meus bebês?
[Jean] Vamos dar uma volta pra tomar um sorvete.
[Renata] E meu bebezinho, você pode fazer um trabalho amanha?
[Luccas] De que mãe?
[Renata] Pelo que me disseram é pra uma grife de roupas para jovens, e como é de ultima hora não temos tempo de fazer seleção de alguém e pensei em você.
[Luccas] Ok, pode deixar faço sim.
[Renata]Então aproveitem o passeio meninos, vou comer algo e tomar um banho ainda tenho que ir até a agência.
Então entramos no carro e saímos sem destino, ficamos conversando um tempinho sobre assuntos bobos e algumas coisas pessoais, até que eu falei.
[Luccas] Lá em casa você falou sério?
[Jean] Sobre o que você está falando, sobre eu te pegar.
[Luccas] Uhum isso mesmo, quero saber a verdade.
[Jean] Ok, preciso ver uma coisa.
Ele tirou a mão direita do volante e colocou em cima do meu membro por cima do short o fazendo ficar ereto no mesmo instante e ele falou.
[Jean] Ixi! – exclamou ele – O meu irmãozinho tem tesão em mim, olha que eu vou mesmo heim!
[Luccas] E por que não vem então?
[Jean] Não posso você é meu bebê, não teria coragem com você.
[Luccas] Mas eu teria com você e seu membro ai diz o contrário do que você está me dizendo que eu estou vendo. – apontando seu pau duro por de baixo do short que ele usava –
[Jean] Ele pode querer, mas eu sei que não vai rolar nada entre nos dois.
[Luccas] Por que você acha que não vai rolar nada entre a gente?
[Jean] Melhor parar com esse assunto, pois não é coisa que irmãos conversem.
[Luccas] Tá vou fingir que acredito nisso, mas sei que você voaria para cima de mim.
Ele não falou nada, apenas me olhou de lado, andamos mais um pouco estávamos perto do shopping e eu disse.
[Luccas] Vamos ver algum filme?
[Jean] Vamos, parece que não tem nada de interessante nessa cidade.
Entramos no estacionamento estava lotado, mas demos sorte quando íamos passando um carro ia saindo e paramos o carro por ali mesmo, fomos em direção aos cinemas ver qual filme iriamos assistir, escolhi uma comedia, só que ainda faltava quarenta minutos para começar, então decidimos ir tomar um sorvete quando estava falando com meu irmão rindo todo feliz vi algo que me fez cortar o riso no mesmo instante, não podia ser tão real quanto eu tinha visto naquele dia eu estava estático olhando aquela figura de um garoto realmente lindo, com um lindo sorriso no rosto conversando com outro garoto que estava de costas para mim, saí daquele devaneio com Jean me chacoalhando.
[Jean] Acorda Luccas tá dormindo em pé?

[Luccas] Não, apenas vi uma coisa que não acreditei ter visto
[Jean] O que você viu então menino?
[Luccas] Ele. – disse apontando para os dois meninos que conversavam e riam muito parecendo que o assunto entre ele era bom –
[Jean] Mas o que tem ele não tem nada de mais
Fiquei quieto olhando para o grupo, quando menos espero chega o Luc indo em direção ao lugar que eles estava, ai sim fiquei paralisado não sabia mais o que pensar estava totalmente tomando por um sensação ruim, o que estava acontecendo será que ele não queria saber mais de mim ele mal chegou já sentou-se ao lado garoto que não demorou mostrar estar todo derretido pelo meu Luc, não posso aceitar isso ele é meu!
 
 
[Lucas] Hoje você dorme lá em casa. – disse ele me olhando –
[Luccas] Hum... – eu pensativo olhando pra ele, e ele apreensivo esperando a minha resposta – Vou sim.
[Lucas] Sério, mesmo você vai? – disse ele todo feliz –
[Luccas] Claro estou falando sério sim bobo.
Ele me olhava com um olhar feliz e ao mesmo tempo interrogativo, como quem tentasse ler minha mente, não sei por que, fiquei o encarando por alguns segundos, e ele a mim, até que ele quebrou o silêncio.
[Lucas] Luccas quer falar algo? – ele falou e eu corei na hora, o que eu iria dizer pra ele, se eu dissesse a verdade talvez ele ficasse chateado –
[Luccas] Não Lucas, só estava pensando como as coisas mudaram rapidamente em 1 dia, nós dois mal nos conhecemos e já parecemos amigos de infância, não que eu esteja achando ruim ou coisa do tipo, sabe, quero dizer assim, você de certa forma me atrai, não sei por que, mas parece que quando você está por perto algo bom parece estar no mesmo lugar, sabe, seu olhar ontem quando te conheci era vazio e sem vida nem uma, olha agora um dia depois, seu olhar é um dos mais lindos que eu já vi, você está diferente seu rosto mais vivo, seu semblante é de uma pessoa que renasceu e agora esbanja vida para todos os lados.
[Lucas] Mas você sabe que a parcela total por toda a mudança que eu estou passando é sua né, você foi legal comigo mesmo sabendo que eu sou “diferente” não me humilhou nem me destratou que nem os outros fizeram.
[Luccas] - falei colocando minha mão direita em cima da dele – Se depender de mim, nossa amizade só irá crescer cada vez mais, e ainda meus amigos se forem realmente meus amigos também serão seus amigos.
Ele apenas sorriu e pegou na minha mão e deu um leve aperto, eu retribui apertando sua mão levemente, continuamos a tomar nosso café, estava quente de mais.
[Luccas] Afim de cair na piscina depois, tá muito quente.
[Lucas] Uhum, pode ser sim.
[Luccas] Ok, então depois a gente vê um pouco de TV pra esperar passar o tempo do café e depois caímos na piscina.
[Lucas] Eu queria ir em casa um pouco pegar uma coisa.
Enquanto dormíamos tive um sonho muito estranho, sonhei que via o Lucas em um tipo de prisão, e eu fazia de tudo para tira-lo de lá, mas nada adiantava eu tentava de todas as maneiras, haviam muitas chaves por perto, eu tentava uma a uma e nada, eu corria atrás de alguém para ajudar e não havia mais ninguém, eu estava ficando completamente desesperado e começando a chorar, a medida que meu choro aumentava parecida que não ia dar certo, até que fui perto dele e comecei a chorar novamente e ele me disse pra seguir em frente, e fazer o que eu achasse melhor, nisso, eu o beijei, um beijo suave e lento, durou algo de segundos, quando me afastei dele as grades se abriram. Acordei meio assustado com esse sonho, nunca tinha me acontecido algo assim antes.
[Lucas] Está tudo bem? – perguntou Lucas assustado –
[Luccas] Sim, sim. – sorri – Foi só um pesadelo, nada de mais. – olho pro relógio que ainda marcava 2:15 – Nossa madrugada ainda.
[Lucas] Deita se acalma. – disse passando as mãos nos meus cabelos fazendo um cafuné gostoso que logo peguei no sono novamente –
O restante da noite passou sem mais imprevistos.
Acordei perto das dez da manhã, Lucas já estava acordado olhando para mim, quando percebeu que eu acordei já abriu um sorriso.
[Lucas] Bom dia!
[Luccas] Bom dia fofo, dormiu bem?
[Lucas] Uhum, a tempos não dormia tão bem, feliz sabe, com vontade de acordar no outro dia.
[Luccas] Ownti, vamos escovar os dentes e tomar café vem. – disse puxando ele pela mão –
[Lucas] Vamoooooos. – sorrimos –
[Luccas] Agora você vai dormir aqui sempre né?
[Lucas] Você vai querer?
[Luccas] Sim, eu vou e ai de você se não vier me ver todos os dias eu vou na sua casa pegar e te morder *RAW*
[Lucas] Olha que eu fico em casa só pra ganhar uma mordidinha sua. – ele disse ficando todo vermelho –
[Luccas] Ah é então toma. – avancei em cima dele puxei um pouco a camisa que ele estava e perto do seu peito esquerdo eu dei uma pequena mordidinha depois começamos a rir daquela cena – Então já que você vai passar a frequentar minha casa e isso é uma ordem, espera aí que eu já venho. – fui pegar uma escova para ele deixar para ele –
[Lucas] Ah obrigado Luccas.
[Luccas] Vem vamos logo que eu estou com fome.
Fomos ao banheiro escovamos nossos dentes, depois descemos para a cozinha para tomar nosso café.
[Lucas] Hoje você dorme lá em casa. – disse ele me olhando –
[Luccas] Hum... – eu pensativo olhando pra ele, e ele apreensivo esperando a minha resposta – Vou sim.
[Lucas] Sério, mesmo você vai? – disse ele todo feliz –
[Luccas] Claro estou falando sério sim bobo.
Ele me olhava com um olhar feliz e ao mesmo tempo interrogativo, como quem tentasse ler minha mente, não sei por que, fiquei o encarando por alguns segundos, e ele a mim, até que ele quebrou o silêncio.
[Lucas] Luccas quer falar algo? – ele falou e eu corei na hora, o que eu iria dizer pra ele, se eu dissesse a verdade talvez ele ficasse chateado –
[Luccas] Não Lucas, só estava pensando como as coisas mudaram rapidamente em 1 dia, nós dois mal nos conhecemos e já parecemos amigos de infância, não que eu esteja achando ruim ou coisa do tipo, sabe, quero dizer assim, você de certa forma me atrai, não sei por que, mas parece que quando você está por perto algo bom parece estar no mesmo lugar, sabe, seu olhar ontem quando te conheci era vazio e sem vida nem uma, olha agora um dia depois, seu olhar é um dos mais lindos que eu já vi, você está diferente seu rosto mais vivo, seu semblante é de uma pessoa que renasceu e agora esbanja vida para todos os lados.
[Lucas] Mas você sabe que a parcela total por toda a mudança que eu estou passando é sua né, você foi legal comigo mesmo sabendo que eu sou “diferente” não me humilhou nem me destratou que nem os outros fizeram.
[Luccas] - falei colocando minha mão direita em cima da dele – Se depender de mim, nossa amizade só irá crescer cada vez mais, e ainda meus amigos se forem realmente meus amigos também serão seus amigos.
Ele apenas sorriu e pegou na minha mão e deu um leve aperto, eu retribui apertando sua mão levemente, continuamos a tomar nosso café, estava quente de mais.
[Luccas] Afim de cair na piscina depois, tá muito quente.
[Lucas] Uhum, pode ser sim.
[Luccas] Ok, então depois a gente vê um pouco de TV pra esperar passar o tempo do café e depois caímos na piscina.
[Lucas] Eu queria ir em casa um pouco pegar uma coisa.
[Luccas] Ok, então a gente vai assim que terminar.
[Lucas] É que eu quero pegar meu not, preciso dar uma olhadinha nos meus jogos e terminar uma coisa no MapleStory, e depois olhar o AION, tem hora que eu me canso, penso em parar mas já viciei de mais nesse jogos.
[Luccas] Você joga qual MapleStory? O Brasileiro da Level Bug não tinha falido?
[Lucas] Level Bug, gostei – risos – sim, mas agora o IP do servidor europeu foi aberto pra jogarmos lá.
[Luccas] Entendi, vou começar a jogar de novo então.
Terminamos nosso café fomos ao meu quarto nos trocar, nos trocamos ali um na frente do outro mesmo, depois fomos ao quarto do Jean mas ele ainda dormia, então avisei a Keila nossa empregada que iriamos até a casa do Lucas.
Keila era a nova empregada da casa, trabalha a 2 meses em casa, ela era branca ainda nova não tinha mais que 25 anos, ela tem cabelos lisos e longos, mas sempre usava amarrado com aquele tradicional “rabo de cavalo” o que deixava seu rosto um pouco largo, ela é magra, tem um belo rosto sempre bem cuidado usava sempre o mesmo batom um rosa meio claro, usava um uniforme horrível que minha mãe faz as empregadas a usarem, todo preto com detalhes branco, e sempre com um avental branco, e sempre com um relógio no pulso esquerdo. A namorada do Jean tem ciúmes dela, não é pra menos a Keila não era nem um pouco feia.
Saímos na rua avistamos alguns dos garotos na rua conversando Renato estava no meio deles, mas nem paramos lá só os cumprimentamos e fomos indo em direção à casa do Lucas, chegamos entramos e fomos direto ao seu quarto onde ele ia pegar uma roupa para nadar e seu notbook, ele resolveu olhar as coisas lá mesmo, enquanto ele olhava perguntei se ele tinha o programa de instalação do jogo ele disse que tinha, perguntei se podia passar para meu pen drive, ele disse que no computador tinha e me disse para ligar, fiz, ele ficou na sua cama mexendo nos seus jogos, eu entrei no meu MSN enquanto passava o jogo, depois olhei para o Lucas ele estava deitado de olhos fechados, fui bem de vagar para cima dele e pulei pensado em fingir uma luta com ele, mas não foi isso o que aconteceu, no que eu pulei em cima dele ele se assustou ergueu seu rosto e instantaneamente se encontrou com o meu e acabou acontecendo, um Celinho sem intenção ficamos com nossos lábios ali grudados pro uns cinco segundo, ele ficou estático, paralisou, não falava não se mexia estava vulnerável a qualquer coisa que eu fizesse com ele. Assim q desencostei um pouco meus lábios do dele só consegui dizer.
[Luccas] Desculpa Lucas foi sem querer eu queria fingir uma luta com você, me desculpa por favor não tive a intenção. – já disse com meu olho enchendo de lágrimas –
[Lucas] Se acalma Luccas, eu sei eu me assustei, não se preocupa isso não muda nada entre a gente somos só amigos. – disse enxugando uma lágrima que caia –
[Luccas] Ma... ma... mas . – ele me interrompeu –
[Lucas] Mas nada Luccas, já disse que não foi nada, para de ficar de frescura. – nisso eu seguro os braços dele forte – O que foi Luccas o que está acontecendo, vai conte - me. – dessa vez ele me olhou sério, com um olhar de investigador quando quer arrancar algo a força de alguém e decidi mentir –
[Luccas] Desculpa é que fiquei meio chateado e tenho medo, muito medo que esse ... – ele completou –
[Lucas][Luccas] Esso nosso quase beijo, afete esse inicio de amizade. – eu estava muito abalado não era por isso não mais era por que eu estava sentindo algo diferente por ele e não queria dizer a verdade sussurrei – Estou apaixonado por você.
[Lucas] O que você cochichou Luccas?
[Luccas] Não disse nada apenas pensei alto, nada de mais.
[Lucas] Está bem então.
[Luccas] Você já terminou de ver os jogos né?
[Lucas] Sim, já e seu jogo também terminou. – disse apontando para o computador –
[Luccas] Vamos então?
[Lucas ] Vamos sim.
Então pegamos o caminho de volta para minha casa, não trocamos uma palavra sequer o caminho todo, quando chegamos em casa entramos e fomos para meu quarto nos trocarmos, então o Lucas decidiu quebrar aquele silencio.
[Lucas] Agora vamos ficar quites. – ele pulou em cima de mim eu caí em cima da minha cama, ele me beijou no rosto – dá pra você parar de paranoia Luccas por favor, poxa, gosto tanto de você, não fica assim se solta.
[Luccas] Vou me esforçar ao máximo, mas é que acho – essa hora eu já estava vermelho feito um pimentão – bem, eu acho que me apaixonei por você. – virei a cabeça para o lado do colchão –
[Lucas] Não se preocupa deve ser algo passageiro logo você esquece isso, vai para com isso coloca logo uma roupa e vamos pra piscina.
Eu comecei a chorar, sentia uma dorzinha no peito que nunca sentira antes, estava me acabando em prantos, ele se trocava para ir para a piscina até que ele percebeu que eu estava de cabeça baixa e chorando muito e se aproximou de mim, não disse nada apenas ficou passando as mãos no meu cabelo como se dissesse que ele estava ali comigo, eu não sabia mais o que fazer, minha cabeça estava confusa, eu precisava de ajuda estava me sufocando, estava prestes a ter um ataque de nervos, até que ele me puxou e me abraço, ainda sem falar nada, mas aquele gesto dele me fez sentir muito, mas muito melhor, mas o choro não parava eu não queria estar apaixonado por ele não queria poder acabar essa amizade tão especial após um namoro que não daria certo, eu não era gay, ou pelo menos pensava não ser, ele agora passava suas suaves mãos em meu rosto, eu queria poder ter forças pra sair daquele abraço fingir que eu não o amava, mas eu o amo, queria ele era o que eu mais precisava naquele momento, me soltei dos seus braços me pus a chorar novamente em cima da cama.
[Lucas] Por favor para de chorar estou quase chorando também, por favor Luccas não chora, levanta vem aqui ou eu vou embora... não vai vir? ... Eu vou embora Luccas embora e se eu for nunca mais volto!
Essas palavras agiram como espadas no meu peito num impulso me levantei da cana o abracei forte.
[Luccas] - olhando dentro dos olhos dele com meu olhar de choro – Você não faria isso comigo faria? Não seria capaz de me abandonar agora, agora que eu me abri pra você e disse que posso estar te amando seria? VOCÊ SERIA CAPAZ DE ABANDONAR ALGUÉM QUE TE AMA, RESPONDE LUCAS!!!
Ele começou chorar, se encolheu no chão, o que eu tinha feito, perdi a cabeça e magoei uma pessoa tão meiga e dócil quanto ele, ele chorava, percebi que ele estava tremendo muito, quando eu fui abraça-lo ele me deu um empurrão que bati com a cabeça na minha cama, me segurei pra não chorar, fui até ele e comecei a pedir desculpas, que eu era um idiota, não tinha noção das coisas que eu fazia até que quando eu falei.
[Luccas] Por favor me ajuda a passar por isso, estou sofrendo e essa dor que estou sentindo você já deve ter sentido antes, não me deixar sofrer mais do que já estou sofrendo Lucas me ajuda .
Ele me olhou com um olhar de choro. Ele me abraçou de uma forma carinhosa, algo sem descrição.
[Luccas] Obri... – ele colocou um dedo em minha boca –
[Lucas] - sussurrou muito mais muito baixo no meu ouvido – Não falei nada, curta o momento, deixe só seu coração falar, esqueça o mundo, mês esqueça, esqueça tudo.
Fiz o que ele me pediu, esvaziei minha mente, fiquei ali com ele abraçado, com aquele cheirinho de Egeo no ar, estava muito bom ali, eu estava me esforçando pra entrar nesse transe e ter um conversa comigo mesmo, mas nesse momento estava muito difícil, mas eu precisava disso, ele queria me ajudar e eu não queria desapontá-lo eu quero saber o que eu realmente sou, eu tinha que fazer isso por ele, mais por ele do que por mim mesmo, eu não queria brincar com os sentimentos dele, queria saber se esse amor era real, finalmente estava entendendo o que ele queria que eu fizesse, parei de pensar, parei de resmungar pra mim mesmo, fiquei totalmente desligado, e consegui, eu estava frente a frente comigo mesmo, estávamos nos falando, era uma coisa surreal, mas estava acontecendo, ele falava e falava e falava e falava não me dava tempo de falar um “A” sequer, eu já estava cansando minha mente ficando pesada, eu fui perdendo a consciência e finalmente adormeci. Acordei umas 3 horas depois, ainda com Lucas ali do meu lado me olhando e fazendo carinho em meu cabelo estava muito cansado.
[Luccas] Sabia que você é a única pessoa em anos que passa a mão em meus cabelos.
[Lucas] Hum, então quer dizer que só eu posso e mais ninguém?
[Luccas] Sim, você pode faze o que quiser comigo que não vou ligar.
[Lucas] Então dá um lindo sorriso, me abraça e vamos cair na piscina a água está quentinha.
Sentei na cama me espreguicei olhei para ele dei um sorriso espontâneo nada forçado saiu com vontade e por ultimo o abracei bem forte.
[Luccas] Agora vamos nadar um pouco.
Mal sabia eu que aconteceria algo nessa piscina que nos afastariam, mas bem voltando ao assunto, fomos para piscina chegamos e pulamos juntos, ficamos brincando ali como duas crianças que pareciam ter visto uma piscina pela primeira vez, saíamos e pulávamos fazíamos a festa ali estava tudo muito bom, só que uma hora ficamos bem perto um do outro, não aguentei, puxei o Lucas para junto de mim e o beijei, mas o beijei com vontade dessa vez, assim que terminei o beijo ele saiu da piscina e eu fui atrás dele, ele foi até meu quarto se trocou catou suas coisas e foi embora.
[Luccas] Não faz isso por favor, não vai embora! – eu começava a chorar –
[Lucas] Por favor me deixe em paz, em um dia você fez tudo que fez, sabe que eu sou gay e fica brincando comigo, EU TENHO SENTIMENTOS DROGA!
Ele se mostrava forte, e sua expressão facial não mostrava nem um tipo de sinal que ele estava triste ou arrependido, mas ele estava sim muito zangado comigo, e ele tinha toda razão eu havia feito muita coisa com ele hoje só que eu não sabia como poderia mostrar esse amor a ele, eu ainda tinha muito medo de fazer algo que ele não gostasse e aí sim realmente ele deixasse de ser meu amigo, bem agora eu teria que correr contra o tempo para poder reaver esse grande problema. Voltei para dentro de casa, e nesse momento o Jean chegava da casa da sua namorada.
[Jean] Luccas tenho uma coisa pra te falar meu irmãozinho. – fingi não ouvir e continuei andando – Luccas espera. – como eu não parei ele veio atrás de mim e me segurou pelo braço – O que houve, ownt meu irmãozinho vem vamos pro meu quarto.
Ele me pegou no colo e me levou pro quarto dele como ele sempre faz quando não estou bem, assim que entramos ele trancou a porta e começou falar comigo.
[Jean] O que meu bebezinho tem me conta.
[Luccas] Ain Jê dessa vez a coisa é muito seria tenho medo de você brigar comigo. – deixo cair uma lágrima quando lembro do Lucas –
[Jean] Para com isso Luccas você sabe que eu sempre vou te apoiar em qualquer coisa, agora para de chorar e me conta pra eu te ajudar.
[Luccas] Eu estou apaixonado!
[Jean] E você está chorando por isso, uma coisa tão linda e você chorando meu pequerrucho!
[Luccas] É, mas eu estou apaixonado pelo LUCAS!
[Jean] WTF! Como assim Luccas, você está falando sério isso é verdade meu pequeno?
[Luccas] É sim, porém eu fiz algumas coisas hoje que fizeram ele ficar com raiva de mim, ele foi embora nervoso, e estou com medo dele nunca mais querer me ver.
[Jean] Mas o que você fez de tão grave Luccas?
[Luccas] Tudo começou no quarto dele de manha quando formos lá [...] – contei tudo pro meu irmão que ficou meio ressabiado, mas disse que iria me ajudar, mas eu deveria prometer que iria fazer de tudo pra não magoar o Lucas, claro que o fiz –
[Jean] E me fala por que dessa paranoia achando que eu não iria mais falar e por que eu iria ficar com raiva de você? Isso pode acontecer com qualquer um, sabia Luccas, até comigo mesmo já aconteceu a algum tempinho atrás.
 
 
[Luccas] BOA IDEIA! – exclamei –
[Jean] Realmente, adorei a ideia também.
Então entramos novamente no shopping, resolvemos andar mais um pouco antes de comer, ficamos olhando algumas vitrines de jogos de computador pra ver se achávamos algo legal, mas foi perda de tempo.
[Jean] Vamos comer, estou com fome?
[Luccas] Vamos eu também estou.
[Luc] Vamos sim.
Então fomos em direção onde iriamos comer, estava completamente lotado, chegamos pegamos nossas senhas, havia quase trinta pessoas em nossa frente, ficamos então sentados e conversando sobre o que havia ocorrido mais cedo, só que agora a gente ria da situação.
[Luccas] Não querendo ser intrometido nas suas coisas, mas o que você ia me contar quando íamos saindo e minha mãe nos viu?
[Luc] Posso contar? – disse olhando pro Jean que apenas consentiu com a cabeça –
[Jean] Ele sabe sobre você eu contei.
Lucas ficou totalmente vermelho, me encarou por alguns segundo, eu o abracei e falei para ele.
[Luccas] Não se preocupe, é nosso segredo, estou junto com você para o que meu amiguinho precisar!
[Jean] Está vendo Luquinha, quando eu disse que meu irmão era diferente, por isso eu amo meu irmãozinho fofo alias, meus dois irmãozinhos né. – disse ele dando um abraço no Lucas que sorriu –
[Luc] A meses que não me sinto tão bem como hoje. – disse ficando vermelho –
[Luccas] A não se preocupa não por que se depender de mim, vai ser cada dia melhor agora.
[Luc] Obrigado mais uma vez Luccas. – ele ficou por um instante quieto e começou falar – Você viu aquele menino mais novo que estava com aquele homem né, então, ele era meu “namorado”, mas um dia aquele homem que é avó dele nos viu quando estávamos nos beijando, a partir daí foi que a guerra começou, ele ameaçava a mim, até que minha mãe e meu irmão descobriram ai minha mãe pegou meu celular e pediu todas as gravações do celular para a operadora, e depois de ver as ameaças agora ela está processando ele de todas as formas que pode processa-lo, e o primeiro julgamento já aconteceu e ganhamos a ação, e ele teve que pagar uma indenização muito boa pra mim, e ainda corre mais dois processos contra ele e praticamente tenho causa ganha nas duas, pois sou menor de idade e ele continua me ameaçando às vezes.
[Luccas] Posso ser um pouco mais intrometido na sua vida?
[Luc] Pode perguntar o que você quiser saber Lucas, não vou esconder nada de você.
[Luccas] Por que você estava ficando depressivo?
[Luc] Esse é um assunto complicado, mas foi por que quando um garoto da minha sala descobriu minha opção sexual ele saiu espalhando pra todos e aos poucos todos que se diziam meus amigos foram se afastando de mim, me ignoravam, me travam mal, e quando tinha algum trabalho em grupo eu era excluído totalmente, nunca tinha um grupo, eu havia sido totalmente excluído, isso foi me deixando mal, perdi a vontade de sair na rua, ir para a escola, e não falava com ninguém, até que hoje cedo seu irmão entrou no meu quarto me fez trocar de roupe e me levou para sua casa para conhecer você, mas confesso que resisti bastante antes de aceitar, não queria ser maltratado novamente, tudo que eu tinha passado pra mim já tinha sido o limite, já estava pensando até em suicídio.
[Luccas] Como assim suicídio tá doido menino!
[Luc] Luccas você não imagina por cada coisa que eu passei, os garotos me viam na rua já começavam, olha a bichinha, lá vai o veadinho, sem falar nas coisas piores que eu tive que ouvir, eu não suportava mais, sinceramente eu chorava o tempo todo, momento raros era quando eu estava jogando algo que era quando eu me esquecia dos problemas e tinha um pouco de alegria, mas que logo passava.
[Luccas] Tenho uma ideia em mente, por que não se muda para minha escola, garanto que meus amigos não vão te maltratar e garanto que logo eles se acostumam e fica tudo de boas.
[Luc] Teria que convencer minha mãe para eu poder mudar de escola.
[Luccas] Ela vai querer um filho alegre de volta ou que você fique se remoendo em más lembranças dentro do seu quarto?
[Luc] Pensando assim acho que consigo convence-la a isso.
Nisso Jean nos interfere e avisa que erámos os próximos, então nos levantamos e já fomos para perto dos balcões para fazer nossos pedidos, agora teríamos que esperar mais algum tempo até nossos pedidos ficarem prontos.
[Luccas] Hoje você vai dormir lá em casa ok.
[Luc] Tudo bem, se minha mãe deixar.
[Jean] Isso não é problema.
Então ele pegou o celular e foi ligar para alguém.

 
Oi Tia sou eu o Jê ... Sabe queria saber se o Lucas pode dormir em casa hoje? ... Não, não, não há problema algum... Sim claro... Pode deixar aviso sim... Ok então Tia beijos boa noite. – ele olhou pro Lucas que fazia uma cara de “Eu não acredito que você convenceu minha mãe” – Eu disse que não era problema.
Lucas deu um pulo no meu irmão e o abraçou agradecendo, meu irmão fez igual ele faz comigo abraçou o Lucas e sem seguida deu-lhe um beijo no rosto, o coitado ficou todo corado na mesma hora.
[Jean] Olha Luccas ele ficou vermelhinho.
[Luccas] Olha heim assim eu fico com ciúmes. – disse rindo e os dois também riram –
[Jean] Ah! Não seja por isso. – eu fingi q iria correr, mas ele me segurou e me beijou no rosto – Meu irmãozinho também ganha beijinho. – caímos na gargalhada foi muito hilário o tom de voz que o Jean usou –
[Luccas] Jean a gente podia levar o Lucas naquele nosso lugarzinho depois de comermos.
[Jean] Uhum, eu pensava nisso também, acho que ele vai adorar, a nossos pedidos estão prontos. – disse ele apontado o painel com nossas senhas – 

  Depois de pegarmos nossos pedidos no balcão fomos procurar algum lugar para sentar, o que foi uma missão super difícil, fomos achar uma mesa quase do outro lado do salão, onde sentamos e comemos, enquanto conversávamos assuntos sem importância, ou alguém contava uma piada, foi um momento total de distração que fez muito bem ao Lucas, ele era todo riso, não tirava o sorriso do rosto a nem um momento, até ele arriscou algumas piadas que faziam a gente cair na gargalhada, no meio da nossa aparece o Brenno.
Brenno tem 14 anos, estuda comigo desde a quinta série ele é branco de cabelo castanho puxado um pouquinho para o loiro, tem olhos castanhos escuros, o corpo dele tem q uma definição inicial, mas precisa de um pouco mais pra aparecer seus gominhos na barriga, mas mesmo assim tem sua beleza, tem um rosto normal, com nariz e boca em minha opinião que se encaixa perfeito com seu rosto
[Brenno] E ai Luccas!
[Luccas] A e leke doido, o que está aprontado por aqui?
[Brenno] Só dando uns role com uns amigos. – disse apontado o grupinho numa outra mesa não muito distante da gente –
[Luccas] Ah! Esse é o meu irmão Jean e meu amigo Lucas.
[Brenno] E ai. – disse dando um daqueles socos com a mão fechada na mão do Jean e do Lucas – Você é bem famoso na nossa sala em cara, seu irmão não cansa de dizer que você é o melhor irmão do mundo. – disse olhando para o Jean –  Nem sou tudo isso que ele fala não, mas eu tenho q cuidar do meu irmãozinho né. Não vou deixar qualquer um fazer algo com ele e deixar quieto. – disse rindo –
[Brenno] Bem vou nessa que já, já eles terminam e me berram.
[Nós 3] Até mais.
Então já estávamos terminando de comer nossas batatas, Jean tinha terminado e falou.
[Jean] Acabem rapidinho ai, enquanto isso vou passar ali na mãe e avisar que já vamos, e vou pegar o carro na rua de traz no estacionamento, e pego vocês ali na saída principal em cinco minutos ok.
Consentimos com a cabeça e ele se foi, nisso eu e o Lucas estávamos no fim de nosso jantar, passamos numa sorveteria pegamos milk shake, e também pegamos um para o Jean e fomos para a saída do shopping esperar por ele que demorou mais uns três minutos.
[Jean] Vamos! Já avisei a mãe que iriamos naquele lugar.
[Luc] Posso ser curioso e perguntar que lugar é esse. – disse todo empolgado –
[Jean] Nós vamos a... – eu o interrompi –
[Luccas] Surpresa pro meu mais novo amigo! – disse dando um sorriso para ele –
[Luc] Nossa surpresa pra mim obaaaaa! – disse todo animado –
Então fomos seguindo em direção a uma estrada que levava para fora da cidade, teríamos pela frente uns vinte minutos de estrada, meu irmão ia dirigindo com velocidade mais reduzida, pois podíamos atropelar algum animal que tentasse atravessar a pista, e como estava noite não tinha como ver se vinha algo de dentro da mata, quando estávamos chegando nos deparamos com uma paca atravessando a pista, meu irmão reduziu mais ainda esperou o animal atravessar .
[Luccas] É ali. – Disse apontando –
[Luc] Naquela casa ali depois daqueles ipês?
[Luccas] Essa mesmo.
[Jean] Luccas pega os controles, e cuidado pra não errar de controle, assim q tiver bem perto põe para abrir.
[Luccas] Pode deixar, a gente vai só lá em baixo ou vai na casa também?
[Jean] Eu não sei como a casa está, vamos só lá em baixo, ai peço pra mãe pedir pra arrumarem a casa e a gente vem pra cá no fim de semana ok.
[Luccas] Pode ser então, você vem né Lucas? – o indaguei olhando-o –
[Luc] Venho sim. – ele respondeu sem me olhar tentando ver o lugar –
[Jean] Reparou nas grades que rodeia todo o lugar e o cuidado que tivemos para entrar, é que aqui Lucas tem uns cachorros do mato, então minha mãe teve esse cuidado e fez essa parte aqui a um ano, por que eu e o Luccas pedimos para ela pois quando vínhamos dormir aqui a noite, não podíamos sair pelo risco de encontrar algum animal selvagem dentro da propriedade, mas agora é seguro pelo menos dentro deste cercado.
Bem estávamos na fazenda de nossa mãe, era muito grande cheio de arvores, muitas frutíferas, como goiaba, laranjais, abacateiros, cajueiros, mangueiras, uma pequena horta que eu havia feito quando era mais novo, e minha mãe resolveu continuar cuidando, já que ela vinha sempre para cá, tinha uma casa não tão grande quanto a nossa casa da cidade, havia a sala, e as vezes ela usava para algum ensaio fotográfico, e quando isso ocorria esse paraíso se tornava um inferno de tanta gente que vem para cá Cozinha, 2 banheiros e 4 quartos, sendo um meu, um do Jean e da minha mãe, e um para hospedar algum hospede, a gente sempre vem para cá principalmente nas férias.
[Luccas] Chegamos! – disse pondo a mão para fora do carro e apertando o interruptor para acender as luzes – Lindo né Lucas?
[Luc] Estou sem palavras para descrever o que estou sentindo, é muito lindo mesmo. – via o brilho nos seus olhos, era algo assim indescritível como se via a felicidade nos seus olhos –

[Jean] Foto! Faço questão que o Wes veja! – sorrindo – Um sorriso no rosto do irmãozinho do meu amigão.
[Luc] Tudo graças a vocês dois.
[Jean] Olha só fala muito lindo né, minha mãe planejou tudo nos mínimos detalhes, ela usa esse lugar pra relaxar e nós também, a gente vem pra cá sempre, mais agora que tirei carta de motorista sempre estamos aqui né fofo. – disse fazendo um afago em meus cabelos –
[Luc] Vocês sempre se dão bem assim, sempre?
[Luccas] Sempre, desde que eu me entenda por gente o Jean sempre me tratou com o maior carinho do mundo, ele me protege de tudo, ainda ganho um beijinho no rosto quando acordo e quando vou dormir, mesmo já estando ficando grandinho, mas eu gosto, me sinto seguro, sabe, me passa uma tranquilidade que sei que posso contar com ele sempre.
[Jean] Verdade, meu irmãozinho fofo, protejo ele sim e você também se precisar Lucas, não deixo nada atingir ou magoar meu pequenino, tenho até uma novidade pro meu irmãozinho, mas ainda é surpresa.
[Luc] Acho tão legal o jeito que vocês se tratam, sabe algo diferente entre irmãos, os dois tem o mesmo carinho pelo outro, o Wesley ele me trata muito bem, mas não é como vocês dois, ele é meio seção, não tem uma ligação de confiança entre a gente, não posso dizer que tenho essa segurança que o Luccas tem.
[Luccas] Agora você tem, eu e meu irmão! E ai de quem mexer com meu amigo, vai se ver com a gente, não é Jê!
[Jean] Com certeza mexeu com você mexeu com a gente!
Voltamos admirar aquele laguinho feito a pedido de minha mãe, havia alguns peixes, em volta uma graminha pequena e em cima do laguinho havia uma proteção pra se algum animal conseguisse chegar ali não comesse os peixes, também tem ao lado 6 daquelas arvores pequenas de japonês, que não me recordo o nome, algumas flores também enfeitavam o local e pra deixar o local perfeito haviam 4 damas da noite, que deixava o ar com um delicioso cheiro meio adocicado.
[Jean] Nossa gente quase onze da noite! Vamos embora que já a mãe liga toda preocupada atrás da gente.
[Luccas] Está com sono Lucas? – vi que ele estava se segurando –
[Luc] Estou não.
[Luccas] Para de mentir ruum! Encosta aqui e dorme quando chegarmos eu te acordo.
[Luc] Não precisa não, eu aguento até chegarmos.
[Jean] Quando chegar Luccas você pega aquele colchão da bi cama q vou levar a outra parte da cama lá pro seu quarto.
[Luccas] Não precisa, minha cama e grande de casal, se ele não se importar dorme comigo lá ué, qual problemas? Importa-se Lucas?
[Luc] Se tiver tudo bem pra você pode ser então.
[Jean] Então pronto resolvido o problema.
Voltamos conversando só na parte da estrada demoramos quase quarenta minutos, Jean teve que ir dirigindo muito mais de vagar do que na vinda tinha muito animal na pista, assim que adentramos na cidade meu celular toca.
[Luccas] Oi mãe... Não, está tudo bem... A gente acabou de entrar na cidade... Sim estamos indo pra casa... Ok pode deixar... Beijos boa noite... Também te amo minha mãe linda!... Tchau. – desliguei – Jean a mãe avisou que vai dormir no Hotel perto ao aeroporto, pois amanhã ela tem um voo vem cedo para São Paulo e ela disse que tem medo de perder o voo por causa do engarrafamento, que volta amanhã mesmo.
[Jean] É mesmo ela tinha comentado, eu nem me lembrava mais que ela vai viajar amanhã.
Assim que chegamos em casa entramos na garagem e fomos para cozinha tomar algo, resolvemos fazer um suco de abacaxi, fizemos e tomamos e fomos para os quarto, eu e o Lucas para o meu e o Jean para o dele.
[Luccas] quer tomar um banho antes de dormir Lucas?
[Luc] Quero sim.
[Luccas] Pode ir ali na porta do meio do guarda roupas, já te levo a toalha já vou no roupeiro pegar.
Fui até o corredor ao roupeiro peguei uma toalha e voltei ao quarto, fui à porta do banheiro e falei.
[Luccas] Lucas vai se trocar aqui no quarto ou ai no banheiro?
[Luc] Pode ser ai no quarto mesmo.
[Luccas] Estou entrando para por a toalha aí ok?
[Luc] Tudo bem pode entrar.
Entrei no banheiro estava lá ele todo fofo (detalhes do corpo dele darei mais para frente) está aqui disse olhando para ele.
[Luc] Obrigado!
[Luccas] vou separar uma roupa pra você, gosta de dormir com roupa ou pijama?
[Luc] Pra mim tanto faz Luccas
Então fui ao meu quarto separei um dos meus pijamas para ele, em seguida coloquei mais um edredom na minha cama para ele, que logo saiu enrolado na toalha, e tirou para se trocar, ele se trocou e disse que estava caindo de sono, eu disse que iria passar uma aguinha no corpo, mas não iria demorar, fui e tomei um banho rápido de uns cinco minutos, me enxuguei me troquei e fui deitar.
[Luc] Boa noite Luccas, e mais uma vez obrigado.
[Luccas] Boa noite fofo. – disse indo dar-lhe um beijo no seu rosto – até amanhã!
[Luc] Até.
E assim terminou o nosso primeiro dia tinha feito um grande amigo, mal sabia que essa amizade com Lucas me levaria a fazer coisas que nunca havia pensado na vida (pros mente poluída, não tem nada a ver com sexo (não agora)).
 
 
Eu sou Luccas, garoto normal como qualquer um da minha idade de 14 anos, tinha minha
paquerinha Lívia, sou branco, tenho cabelos castanhos escuros uso ele no estilo playsson
e tenho um cuidado enorme com meus cabelos, e olhos castanhos escuros também, sou
alegre extrovertido e me enturmo facilmente, amo jogar jogos online, ficar fuçando Orkut e
no MSN com meus amigos, sempre uso uma pulseira azul com detalhe no pulso direito,

tenho um nariz meio grandinho, mas nada exagerado acho que combina perfeitamente com 
meu rosto minha boca é um pouco grandinha também mas as meninas dizem que é linda 
assim como meus dentes que são perfeitos.
Estava eu sentado no meu PC jogando PW (Perfect World), enquanto isso nem me tocava 
do que se passava do meu lado, era manhã de quinta-feira, estava de férias ainda, praticamente 
na metade das férias de verão, tudo começou a mudar nesse dia, meu irmão como de costume 
entrou no meu quarto para me dar bom dia com um beijo no rosto, como de praxe só que hoje, 
ele não estava sozinho estava com Wesley seu amigo de infância.
Jean meu irmão tem 18 anos, tem um corpo legal, começou a fazer academia a mais ou menos 1 
ano, tem pele bronzeada de tanto ir ao clube, cabelos lisos usava ele levantado na frente, olhos castanhos 
claros, sua boca era proporcional ao seu rosto dando um charme extra a sua aparência, seu nariz 
também era proporcional ao seu rosto, terminou o ensino médio ano passado e começaria a faculdade 
o mês que vem, ele banca o tipo irmão protetor, se me vê triste ou chorando ele vem na hora saber o que 
se passa e faz de tudo pra resolver, namora com Bianca.
 Wesley é o melhor amigo do meu irmão, os dois faziam quase tudo juntos academia, 
jogam futebol e vão pra escola, ele é loiro bem magro, corpo meio definido, já aparentava 
bem de leve alguns gominhos na barriga, pele bem branca, com 3 tatuagens de nomes no 
lado esquerdo do corpo, onde até hoje se viram apenas 2 iniciais um “A” e um “J”, seu rosto 
era lindo, seu nariz é fino, e uma boca meio pequena com um pircing no lado direito do lábio, 
e um brinco que imita um alargador na orelha esquerda, o que deixava as meninas loucas por ele.
[Jean] Bom dia meu irmãozinho mais fofo!
[Luccas] Bom dia! (disse todo alegre me virando para trás)
[Jean] O que meu irmãozinho está fazendo, já jogando?
[Luccas] Sim, aproveitando pra jogar enquanto a Lívia não vem me chamar pra sair.
[Jean] Falando em sair o Wesley trouxe o irmão dele que tem sua idade pra conhecer você.
[Luccas] Legal fala pra ele entrar então.
[Jean] Ele está no meu quarto com o Wes, vou chama-lo.
Então Jean foi para seu quarto, demorou para voltar então voltei jogar meu jogo, enquanto jogava 
sinto uma mão nas minhas costas, com um toque meio delicado, viro-me, me deparo com um 
garoto bem magrinho, branquinho, pela sua camisa dava pra perceber que ele tinha um corpo legal 
bem cuidado, tinha um cabelo castanho puxando para o loiro, um olho castanho bem escuro, braços 
finos, um rosto meio fino, com um nariz bem desenhado para aquele rostinho, uma boquinha linda 
(é confesso ele é lindo sim) um pouquinho de nada carnuda, ainda não sabia, mas ele é gay, o que 
me espantou de inicio, pois um garoto daquele tinha a garota que quisesse aos seus pés.
 [Garoto] Oi, você que é o Luccas? – disse com um pouco de vergonha –
[Luccas] Sim sou eu, você é o irmão do Wes? – disse dando um sorriso – 
[Garoto] Sou eu sim. – disse me dando a mão –
[Luccas] Me chamo Luccas e você?
[Garoto] Eu me chamo Lucas também. – disse dando um sorriso –
[Luccas] Legal, um chara, só que meu nome tem dois “C”.
[Lucas] lol que massa, vejo que você também joga PW.
[Luccas] Você joga também?
[Lucas] Sim, eu e meu irmão jogamos a um bom tempo já.
[Luccas] Joga só PW ou joga algo mais?
[Lucas] Jogo sim Grand Chase e Ragnarok.
[Luccas] Eu jogo Ragnarok também. - nisso Renato entra – 
Renato tem 13 anos, é “Popular”, ele mora com sua mãe, filho único, pele bem branquinha, 
corpo começava a se definir, só pensa em futebol, na escola conversa com praticamente todo 
mundo, cabelos bem liso e loiro, de olhos verdes bem marcantes seu rosto parece um desenho 
de tão perfeito, nariz, olhos e bocas tudo bem colocadinho, o que deixava ele muito fofo, ele é 
daquele zoador, ele também é meu melhor amigo. 
[Renato] A e leke, bora jogar aquele fut?
[Luccas] Topa jogar com a gente lá no campinho Lucas? Ah, esse é o Renato, meu 
amigo há muito tempo. Esse é o Lucas. – disse falando para o Renato – 
[Lucas] Vamos sim.
 Então saímos, passamos no quarto do meu irmão para falar com Wes que o irmão dele iria 
estar no campo com a gente, chegamos lá toda a turma praticamente estava lá, chegamos 
lá alguns deles já conheciam o Lucas, outros não, reparei também que alguns olhavam o 
Lucas diferente, mas nem dei muita importância na hora, então formamos nossos times, o 
nosso era considerado o melhor entre os dois, mas o Lucas levou o outro time nas costas, 
só ele fez 6 dos 8 gols do time dele, e acabou empatado em 8 a 8, todos ficaram de cara no 
final, pois ninguém sabia que o Lucas jogava tão bem daquele jeito, até o Renato que era o 
melhor entre nós ficou de boca aberta.
O campo onde a gente joga é num clube que tem na esquina depois da minha casa, tem a quadra 
e o campo de grama, na maioria das vezes jogávamos no campo de grama, ele é cercado por 
árvores de pequeno porte, mas também havia 2 grandes árvores, onde costumamos descansar 
depois das partidas, já a quadra era coberta, tinha uma enorme arquibancada para quando realizam 
torneios no clube, coisa que aconteciam 3 vezes ao ano, e uma dessas competições era uma que 
meu grupo disputava já a 4 anos, desses 4 anos a gente tinha conquistado 3, e com o provável reforço 
de Lucas o 4 título era quase garantido.
[Renato] Onde tu aprendeu jogar cara!
[Lucas] Jogo as vezes no campinho lá perto de casa.
 [Renato] Você tem que entrar pro nosso time cara, tu joga pra porra!
[Lucas] Só jogo pra zoar nem sou tão bom assim não.
[Renato] Imagine se jogasse, quero nem saber, tu vai entrar pro nosso time sim! 
Nem que eu e o Luccas temos que te buscar na sua casa, até você aceitar.
[Luccas] É Lucas vai de boa tu joga pra caramba aceita a e. – foi eu falar e ele 
mudar de ideia e aceitar na hora –
[Lucas] Beleza então eu topo.
Quando ele disse Renato olhou pra mim com uma cara de quem quis dizer “Por que ele 
não aceitou quando eu pedi e insisti pra ele aceitar, e você falou uma vez ele praticamente 
mudou de uma hora para outra”. Confesso que eu também achei estranho, mas deixei quieto.
[Wesley] Lucas vamos embora! – gritou o seu irmão –
[Lucas] Bom galera vou indo nessa, até mais.
[Luccas] Ei Lucas vem em casa amanha para jogarmos algo.
[Lucas] Se meu irmão vir eu venho com ele beleza.
Então ele foi em direção ao irmão dele que mora umas quatro ruas para baixo da minha 
casa, eu e os outros garotos ficamos mais um pouco no campo tocando bola e jogando 
conversa fora, até que resolvemos ir para nossas casas, Renato e eu ainda ficamos um 
pouco na frente de minha casa jogando conversa fora.
 [Renato] Luccas você não achou estranho quando eu insisti para ele entrar 
no time e ele ficou recusando, bastou você chamar e ele mudou de ideia na hora.
[Luccas] Também achei estranho, mas pode ser por que ele não conhecia 
ninguém lá e como me conhecia topou por que eu o chamei.
[Renato] É pode ser também.
Nisso o Jean sai para a rua e me chama dizendo que minha mãe me mandara entrar 
para tomar banho pois iriamos jantar fora, então despedi do Renato e fui para dentro de 
casa tomar meu banho, que geralmente durava uns quarenta minutos.
Renata 38 anos, minha mãe e do Jean (obvio né), empresária dona de uma agência de 
modelos famosa no nosso estado, sempre bem vestida, alegre, nunca de mau humor, vive 
em meio a festas e concursos, quando não acha o modelo certo pros trabalhos ela caba 
empurrado eu e meu irmão para fazer as fotos, seu rosto é um dos mais lindos que já vi, 
seu andar calmo passos curtos, divorciada a 4 anos, depois desse fato nunca mais arrumou 
namorado nem um agora só se dedica a sua agência.
[Renata] Sai logo desse banho Luccas, ou vamos nos atrasar menino! – dizia minha 
mãe enquanto batia na porta do banheiro –
[Luccas] Já estou saindo mãe só mais um pouquinho.
Terminei meu banho e fui para meu quarto correndo me trocar, nisso quando eu ainda colocava 
minha cueca Jean entra no quarto.
[Luccas] Ei Jean não bate na porta mais não! – disse assustado –
 [Jean] A maninho pensei que entre a gente não tinha dessa foi mal. 
– já disse saindo do quarto –
[Luccas] Espera agora pode ficar, o que foi que meu irmão precisa?
[Jean] Agradecer meu maninho!
[Luccas] Por que?
[Jean Por ter tratado o Lucas bem maninho.
[Luccas] Não estou entendendo nada Jean.
[Jean] Promete guardar segredo sobre o que eu vou te contar agora, mas 
é serio não pode contar pra ninguém nem para o Renato entendeu?
[Luccas] Nossa o que tem de tão grave irmão?
[Jean] O Lucas ele é gay, ele está passando por muita coisa, por isso pedi 
pro Wes trazer ele para cá, por que sei que você mesmo assim do seu jeitinho machão 
não iria desfazer dele que nem os outros garotos fizeram com ele quando descobriram, 
ele está entrando em uma enorme depressão, você deve ter reparado em algum momento 
que ele pode ter ficado acanhado com alguma conversa perto dos garotos, por isso o Wes 
quando viu que você se deu bem com ele pediu pra eu te contar, e pedir pra você ajudar o 
irmão dele enquanto ainda tem tempo para ele se enturmar e não acabar entrando de vez 
nessa depressão, entendeu.
 [Luccas] Nossa sério, que barra, mas pode deixar comigo vou fazer 
isso sim, mas por que achei ele muito legal, amanhã alias ele vem aqui em 
casa pra jogarmos.
Nisso meu irmão pulou em cima de mim me agradecendo, pois o Wes estava 
preocupado, já não sabia mais o que fazer para ajudar o irmão a se reanimar, 
nisso ele falou.
[Jean] Tive uma ideia, espera um pouco.
Nisso ele saiu, e retornou uns cinco minutos depois.
[Jean] Luccas você já está pronto?
[Luccas] Sim, já por que?
[Jean] Então vem comigo, vamos ali na casa do Wes.
[Luccas] Ok vamos.
Então fomos para a casa do Lucas, no caminho meu irmão foi me falando da sua 
ideia de levar o Lucas com a gente para jantar, pra eu poder ir me enturmando mais 
com ele. Achei legal, pois queria ver o que iria dar, na época achei que não daria quase 
em nada, mas não foi isso o que aconteceu, quando percebi já estava na frente da casa 
do Lucas, foi aí que eu vim reparar que nunca tinha entrado na sua casa, chegamos e 
chamamos quem nos atendeu foi sua mãe Judith.
Judith tem 39 anos, mãe de Wesley e de Lucas, tem cabelos castanho longo e liso, empresária, 
tem um olha de ser uma pessoa alegre, e ao mesmo tempo abatido.
 [Judith] Olá Jean.
[Jean] Oi dona Judith, o Lucas está? Ah, esse é meu irmão mais novo Luccas.
[Judith] Ah! Então esse é o famoso Luccas que você tanto fala. – disse dando 
um sorriso – Vem vamos entrar, bem, o Lucas está no quarto dele, podem subir lá.
Bem a casa era uma casa enorme muito grande mesmo, a sala era muito ampla com 
uma decoração meio rustica que deixava o local bem elegante, com 4 sofás bem distribuídos 
no local junto com 4 poltronas reclináveis alguns quadros distribuídos entre as paredes, e 
uma escada que leva ao segundo andar da casa, subindo a escada se depara com 6 portas, 
5 quartos um banheiro, a terceira porta indo da direção da escada ao fim do corredor era o 
quarto do Lucas. Bati a porta do seu quarto.
[Lucas] Pode entrar.
[Luccas] Sou eu Lucas. – assim que ele me viu ali, ele abriu um lindo sorriso no rosto –
[Lucas] Oii Luccas!
[Luccas] Você tem algum compromisso agora a noite?
[Lucas] Não por quê?
[Luccas] Então se arrume pois agora você tem!
[Lucas] Como assim agora eu tenho?
 [Luccas] É que minha mãe tem um dos seus jantares chatos em um restaurante
lá no shopping e quero que você vá comigo, e não, não é uma resposta aceitável.
[Lucas] Ah, mais ... – o interrompi –
[Luccas] Ah, mais nada Lucas, se arruma você vai comigo sim!
Então ele foi ao guarda roupas pegar o que vestir, ele tirou a roupa na minha frente não 
pude deixar de reparar, que o que eu pensava era ser, sua barriga mostrava os gominhos 
perfeitos, ele me viu olhando e falou.
[Lucas] Pelo menos o futebol me server pra algo. – rimos –
[Luccas] A minha tem mais ainda não é tão visível quanto aos seus. – disse mostrando 
minha barriga para ele –
[Lucas] Mais você tem um pouco de massa corporal, é bonito seu corpo. – disse ficando vermelho –
[Luccas] Uhum. – disse sorrindo –
[Lucas] Terminei.
Então fomos chamar o Jean no quarto do Wes os dos estavam conversando quando chegamos, 
mas logo terminaram e voltamos para casa, quando chegamos lá tinha um bilhete da minha mãe 
dizendo que ela já tinha ido e era pra irmos com o outro carro, Jean já tinha habilitação, então saímos 
e fomos em direção ao shopping, no caminho fomos conversando sobre jogos e fui perguntando 
coisas sobre ele e ele sobre mim, quando chegamos ao local, mal sabíamos mais iria rolar um 
barraquinho básico e por minha culpa minha mãe perdeu um trabalho até que bom, mas nem faria 
falta para ela.
 [Jean] Vichi, não acho vaga para estacionar aqui dentro, desçam e Luccas encontre 
a mãe e diga que fui guardar no outro estacionamento por que esse não havia vaga.
[Luccas] Está bem você sabe em qual restaurante ela ia estar?
[Jean] Naquele de sempre, sabe onde ela sempre marca as reuniões.
[Luccas] Ok. Vem Lucas.
Fomos andando até a porta do restaurante quando ele olhou, pegou meu braço e apertou bem forte.
[Luccas] O que foi Lucas?
[Lucas] Por favor Luccas se for naquela mesa ali me leva embora por favor.
[Luccas] Mas por que?
[Lucas] Vamos para outro lugar que eu te conto.
Nisso, ouço a voz da minha mãe me chamando.
[Renata] Luccas! Estamos aqui filho.
Não tive como fugir dali, tivemos que ir até a mesa onde estava minha mãe, seu futuro sócio a 
esposa dele e seus 2 filhos, e um desses era ex do Lucas. E o senhor já foi questionando que 
não queria o Lucas ali e começou ofende-lo.
[Luccas] Olha aqui seu velho careca olha bem o que você fala do meu amigo seu velho 
seboso!
[Renata] ESTÁ DOIDO LUCAS PEÇA DESCULPAS AGORA AO SR. CARLOS.
 [Luccas] Eu pedir desculpas pra esse velho molunguento, fica esperando 
ninguém fala mau do meu amigo e fica por isso mesmo. – disse indo em direção a 
cadeira dele e o derrubei no chão – A próxima vez que falar mau de um amigo meu 
vai ser pior ok!
Peguei o Lucas pela mão e sai puxando ele dali e fomos até a entrada esperar por 
meu irmão, nisso chega minha mãe.
[Renata] O que foi aquilo Luccas!
[Luccas] Um amigo protegendo o outro, e faço de novo se for preciso.
Minha mãe não disse mais nada apenas pegou um dinheiro na sua bolsa me deu e 
disse pra irmos comer algum lanche pelo shopping.
[Lucas] Desculpa por tudo isso.
[Luccas] Por que desculpa Lucas você não fez nada.
[Lucas ] Estraguei sua noite Luccas por isso.
[Luccas] Porra! Entende uma coisa Lucas você é meu A – M – I – G – O nunca 
que eu ia deixar qualquer pessoa que fosse tratar você igual aquele velho caquético fez com 
você hoje põe isso na sua cabeça!
Nisso ele estava com os olhos cheios de lágrimas e me abraçou.
[Lucas] Então obrigado por seu meu AMIGO! 
Nisso Jean chega e vê a cena.
[Jean] O que aconteceu aqui, por que o Luquinha está chorando.
 Contei a ele tudo que aconteceu, e disse o que fiz, ele foi abraçou Lucas depois me 
abraçou e me deu um beijo no rosto, ficamos ali mais um tempinho até a fome bater 
pra nós 3 irmos comer algo.
[Jean] Bem como o Luquinha é nosso convidado ele escolhe o que vamos 
comer!
[Luccas] Isso você escolhe Lucas.
[Lucas] Pode ser batata recheada?
================================================================================================================
                                                                                                          FIM